Seu navegador tentou rodar um script com erro ou não há suporte para script cliente.
Início do conteúdo
Página inicial > Comunicação > Notícias > Escola de Saúde Pública forma mais de 100 agentes comunitários de saúde
RSS
A A A
Publicação:

Escola de Saúde Pública forma mais de 100 agentes comunitários de saúde

Secretária da Saúde, Sandra Fagundes, fala durante a abertura da solenidade
O curso contou com um total de quatro turmas e iniciou em setembro de 2013 - Foto: Henrique Lippert

A Escola Estadual de Saúde Pública (ESP/RS) realizou nesta quarta-feira (24) a formatura de 104 agentes comunitários de saúde do município de Porto Alegre que fizeram o Curso de Qualificação de Agentes de Saúde do Rio Grande do Sul. O curso, de 400 horas e com um total de quatro turmas, iniciou em setembro de 2013 e terminou em julho deste ano. No ano passado, foram formados 100 agentes e para 2015, estão previstas mais quatro turmas com 100 pessoas.

Segundo a diretora da ESP, Waleska Pereira, o curso tem por objetivo qualificar agentes comunitários de saúde para atuarem junto às equipes multiprofissionais que desenvolvem ações de cuidado e proteção à saúde de indivíduos e grupos sociais, em domicílios e coletividades.

Presente na cerimônia, a secretária estadual de Saúde, Sandra Fagundes, disse que havia uma dívida do Estado para com os ACSs. "Quando assumimos o governo, em qualquer reunião que íamos, na ESP ou coordenadorias regionais de Saúde, este assunto não saía da pauta. Foi difícil encontrar os caminhos tecnológicos e burocráticos para viabilizar o curso. Estar hoje nesta formatura significa que conseguimos encontrar os caminhos para viabilizar de 400 horas, que é maior que uma especialização. Conseguimos fechar um ciclo virtuoso nesta gestão e esperamos que estes caminhos não sejam fechados".

Um dos formandos, Valmir Lauter Padilha, agente comunitário do Campo da Tuca, achou fundamental ter aproveitado a oportunidade e fazer o curso. "Trabalho há dois anos e nunca tinha tido uma capacitação. Este curso foi ótimo, vou aproveitar a experiência que tive no meu dia a dia. Cristiane Teixeira, que trabalha no Morro da Cruz, considera que os oito meses de curso, uma vez por semana, "foi puxado, porque tive que abrir mão de muitas coisas", mas avalia que "as aulas foram ótimas" e o que aprendeu será aproveitado no trabalho. Tayane da Fontoura, do bairro Glória, disse que terá a oportunidade de compartilhar seu aprendizado com os colegas.

Endereço da página:
Copiar
ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA